60 frases do Pablo Neruda para quem admira seus poemas

Pablo Neruda foi um poeta e cônsul chileno, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura no ano de 1971, que ficou conhecido como um dos mais importantes escritores em língua castelhana do século XX.

Por isso, elencamos a seguir várias frases do Pablo Neruda que irão te ajudar a conhecer as obras desse famoso escritor. Escolha sua frase preferida e compartilhe!

Frases do Pablo Neruda para conhecer esse grande poeta chileno

Poderão cortar todas as flores, mas não poderão deter a primavera.

Poderão cortar todas as flores, mas não poderão deter a primavera.

Algum dia, em qualquer parte, em qualquer lugar, indefectivelmente, se encontrarás consigo mesmo, e essa, apenas essa, pode ser a mais feliz o a mais amarga de suas horas.

Se sou amado, quanto mais amado mais correspondo ao amor. Se sou esquecido, devo esquecer também... Pois amor é feito espelho: tem que ter reflexo.

A verdade é que não há verdade.

A verdade é que não há verdade.

Dois amantes felizes não têm fim nem morte, nascem e morrem tanta vez enquanto vivem, são eternos como é a natureza.

Escrever é fácil. Você começa com uma letra maiúscula e termina com um ponto final. No meio você coloca ideias.

Se nada nos salva da morte, pelo menos que o amor nos salve da vida.

Se nada nos salva da morte, pelo menos que o amor nos salve da vida.

Esqueçamos com generosidade aqueles que não nos podem amar.

Só um louco pode desejar guerras. A guerra destrói a própria lógica da existência humana.

A poesia tem comunicação secreta com os sofrimentos do homem.

A poesia tem comunicação secreta com os sofrimentos do homem.

A poesia é um ato de paz. A paz entra dentro da composição de um poeta tal como a farinha entra na composição do pão.

Amo-te como se amam certas coisas obscuras, secretamente, entre a sombra e a alma.

Conhecer o amor dos que amamos é o fogo que alimenta a vida.

Conhecer o amor dos que amamos é o fogo que alimenta a vida.

Ainda que chova, ainda que doa. Ainda que a distância corroa as horas do dia e caia a noite sem estrelas, o mundo brilha um pouquinho mais a cada vez que você sorri.

Num único beijo saberás tudo aquilo que tenho calado.

Livro, quando te fecho, abro a vida.

Livro, quando te fecho, abro a vida.

Quer-me quando menos o merecer, pois será aí que mais o necessito.

Amor, quantos caminhos até chegar a um beijo, que solidão errante até tua companhia!

Para que nada nos separe, que nada nos una.

Para que nada nos separe, que nada nos una.

Nega-me o pão, o ar, a luz, a primavera, mas nunca o teu riso, porque então morreria.

Saudade é amar um passado que ainda não passou. É recusar o presente que nos magoa. É não ver o futuro que nos convida.

Sofre mais quem espera sempre ou quem nunca esperou ninguém?

Sofre mais quem espera sempre ou quem nunca esperou ninguém?

E a minha voz nascerá de novo, talvez noutro tempo sem dores, e nas alturas arderá de novo o meu coração ardente e estrelado.

Só com uma ardente paciência conquistaremos a esplêndida cidade que dará luz, justiça e dignidade a todos os homens. Assim a poesia não terá cantado em vão.

Para o meu coração basta o seu peito, para a sua liberdade bastam as minhas asas.

Para o meu coração basta o seu peito, para a sua liberdade bastam as minhas asas.

O homem gostaria de ser peixe ou pássaro, a serpente gostaria de ter asas, o cão é um leão confuso... Mas o gato quer ser somente gato, e todo gato é um puro gato desde o bigode ao rabo.

A vida esconde nos lugares mais simples sua grande beleza, que revela qual o significado de porque persistimos em continuar vivendo.

Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências.

Você é livre para fazer suas escolhas, mas é prisioneiro das consequências.

Eu amo seus pés, porque eles caminharam sobre a terra, o vento e a água, até que me encontraram

Se cada dia cai, dentro de cada noite há um poço onde a claridade está presa. Há que sentar-se na beira do poço da sombra e pescar luz caída com paciência.

A vida não começa quando se nasce, começa quando se ama.

A vida não começa quando se nasce, começa quando se ama.

Nós, os de então, já não somos os mesmos.

Amo-te sem saber como, nem quando, nem onde, te amo diretamente sem problemas nem orgulho: assim te amo porque não sei amar de outra maneira.

Sobre a terra, antes da escrita e da imprensa, existiu a poesia.

Sobre a terra, antes da escrita e da imprensa, existiu a poesia.

Sobre meu coração chovem frias corolas. Oh porão de escombros, feroz caverna de náufragos!

A sombra é sempre negra, nem que seja de um cisne branco.

Acontece é que me canso de ser homem.

Acontece é que me canso de ser homem.

Sempre, sempre te distâncias entre as tardes onde o crepúsculo corre maculando as estátuas.

Os poetas odeiam o ódio e fazem guerra a guerra.

Amo-te e não te amo como se tivesse nas minhas mãos a chave da felicidade e um incerto destino infeliz.

Amo-te e não te amo como se tivesse nas minhas mãos a chave da felicidade e um incerto destino infeliz.

Gosto quando te calas porque estás como que ausente e me escutas de longe, minha voz não te tocas. Parece que os olhos tivessem de ti voado e parece que um beijo te fecharás a boca.

Era a dor e as ruínas, e tu foste o milagre. Ah mulher, não sei como me pudeste conter na terra de tua alma e na cruz de teus braços!

Não quero dormir sem teus olhos. Não quero ser... sem que me olhes.

Não quero dormir sem teus olhos. Não quero ser... sem que me olhes.

Tudo estava vazio, morto e mudo. Caído, abandonado e decaído. Tudo era inalienavelmente alheio. Tudo era dos outros e de ninguém, até que tua beleza e tua pobreza de dádivas encheram o outono.

Nós, os que perecemos, tocamos os metais, o vento, as margens do oceano, as pedras, sabendo que seguirão imóveis ou ardentes, e eu fui descobrindo, dando nome às coisas: foi meu destino amar e despedir-me.

Te amo, beijo em tua boca a alegria.

Te amo, beijo em tua boca a alegria.

E quando surges todos os rios se ouvem no meu corpo, sinos fazem estremecer o céu, enche-se o mundo com um hino.

Amo-te para começar a amar-te, para recomeçar o infinito e para não deixar de amar-te nunca.

Tu eras também uma pequena folha que tremia no meu peito. O vento da vida pôs-te ali.

Tu eras também uma pequena folha que tremia no meu peito. O vento da vida pôs-te ali.

Quero apenas cinco coisas… Primeiro é o amor sem fim. A segunda é ver o outono. A terceira é o grave inverno. Em quarto lugar o verão. A quinta coisa são teus olhos.

Posso escrever os versos mais tristes esta noite. Pensar que não a tenho. Sentir que a perdi. Ouvir a noite imensa, mais imensa sem ela. E o verso cai na alma como ao pasto o orvalho.

Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Saberás que não te amo e que te amo, pois que de dois modos é a vida, a palavra é uma asa do silêncio, o fogo tem a sua metade de frio.

A timidez é uma condição alheia ao coração, uma categoria, uma dimensão que desemboca na solidão.

Tenho fome da tua boca, da tua voz, do teu cabelo.

Tenho fome da tua boca, da tua voz, do teu cabelo.

Quero fazer contigo o que a primavera faz com as cerejeiras.

Foi nessa idade que a poesia me veio buscar. Não sei de onde veio. Do inverno, de um rio. Não sei como nem quando. Não, não eram vozes, não eram palavras, nem silêncio.

A noite está estrelada e ela não está comigo.

A noite está estrelada e ela não está comigo.

E se não dá mais, apenas encontre o que está em suas mãos, creia que dar amor nunca é em vão. Vá em frente sem olhar para trás.

Refugiei-me na poesia com ferocidade de tímido.

Após ler tantas frases sobre Pablo Neruda, nada melhor que conferir também nossas frases de Oscar Wilde e conhecer um pouco mais sobre esse escritor que transmite muita ironia, sarcasmo e cinismo em suas obras.

Gostou dessas frases? Compartilhe!